VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – Criança denuncia violência doméstica pede socorro, em prova e família consegue proteção.

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – Criança denuncia violência doméstica pede socorro, em prova e família consegue proteção.

Um menino de 8 anos usou a avaliação escolar para fazer um pedido de socorro à professora.

Em Vale do Anari (RO), a 330 quilômetros de Porto Velho. Angustiada com a violência que sofria em casa, junto com a mãe e outras menores, a criança pediu socorro escrevendo no final da prova escolar. “Por favor me ajuda. Meu pai bate na minha mãe. Chama pra mim a polícia”, anotou.

A informação chegou ao conhecimento da Polícia Civil que esteve na residência e resgatou a família. A mãe sofria diversas agressões no decorrer do dia e da noite, e está com problema psicológico. Amedrontada e acuada, a mulher nunca consegui denunciar o caso de violência.

Além de orientar a mãe para formalizar a denúncia, a equipe da Polícia Civil levou para o abrigo quatro crianças com idades de 16, 14, 13 e 8 anos. Todas sofriam agressões diárias a mais de 10 anos. A família ficará sob proteção enquanto aguarda decisão da Justiça.

O caso chamou a atenção pela forma que a criança utilizou para pedir ajuda. Professores são fundamentais na orientação e na observação de sinais de violência doméstica contra crianças.

Além da agressão física, o agressor exercia violência psicologia, o que inibia as vítimas em formalizar denúncia.

COMO PROCEDER EM CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Denúncias e canais de atendimento

O Disque-denúncia específico para violência contra a mulher é o 180, que funciona 24 horas por dia. A vítima também pode denunciar o crime pelos Disques 197 e 181, da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT). Já para acionar a Polícia Militar (PM-MT) em uma emergência, ou seja, no momento em que a violência ocorre, é só ligar 190. Os registros de ocorrência podem ser feitos em qualquer delegacia, nos municípios em que não há delegacia especializada.

Agora a mulher também pode solicitar medida protetiva quando se sentir ameaçada, pelo site https://sosmulher.pjc.mt.gov.br/. Para aquelas que já possuem a medida em funcionamento e que moram em Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres e Rondonópolis, também foi lançado o aplicativo do Botão do Pânico, para ser acionado em caso de descumprimento pelo agressor. Para baixar, basta digitar SOS Mulher MT na pesquisa da loja de aplicativos do celular. Está disponível para Android e IOS.

Redação com Diário da Amazônia

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques

LEITE CONDENSADO”: PROFESSOR DA UFR DESTROÍ NARRATIVA FAKE ESQUERDOPATA

A desinformação sobre os gastos do governo federal com alimentos e bebidas em 2020.  E principalmente R$ 15 milhões em leite condensado adquiridos pelo ministério da Defesa (R$ 14,2 milhões)

SE EU TIVESSE COMIDO (O CHOCOLATE) EU IA TER MORRIDO, NÉ, MÃE?”.

Essa foi a pergunta que o filho de sete anos da diarista Juliana Santos fez ao encontrar larvas no ovo de Páscoa que ganhou na escola, em Bertioga, no litoral

Destaques 0 Comentários

Unic Rondonópolis lança game interativo para apoiar jovem na escolha da carreira

Temporada do Giro de Profissões contará com game online, ferramenta interativa que ajuda no conhecimento do perfil profissional de forma dinâmica e divertida Para reduzir as chances de frustração e