Vacina da Fiocruz sem insumos do exterior, produção começa sábado.

Vacina da Fiocruz sem insumos do exterior, produção começa sábado.

Até o momento, doses produzidas dependem de IFA trazido da China. Brasil enfrenta dificuldade na importação, o que atrasa imunização

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começará no próximo sábado (15/5) a fabricar totalmente no Brasil a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceira com a farmacêutica AstraZeneca contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A produção será possível com a fabricação do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) feita no país. A previsão é do vice-presidente da Fiocruz, Mario Moreira. Até o momento as doses produzidas dependem de IFA importado da China.

A Fiocruz está em condições de fazer a vacina e obteve a certificação de boas práticas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas ainda há procedimentos de avaliação a serem realizados, além do processo de registro definitivo do imunizante.

“Vamos ter que produzir lotes de validação acertados com procedimentos internacionais e, a partir daí, a gente já começa a produzir em escala industrial. Os testes deverão aguardar o registro definitivo da Anvisa. A expectativa é de que em outubro tenhamos a liberação para entregar esses lotes produzidos de maio em diante”, disse Moreira na última sexta-feira (7/5).

A produção com o IFA nacional é resultado de um acordo de transferência de tecnologia entre a Fiocruz e o consórcio formado pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca.

Atraso

A lentidão no envio dessas substâncias tem dificultado o andamento da imunização no Brasil. Nesta segunda-feira (10/5), o Instituto Butantan confirmou que a produção das vacinas no país pode sofrer impacto a partir de junho se o governo chinês não liberar a importação de IFA.

O Butantan, que é ligado ao governo de São Paulo, produz a Coronavac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O IFA para a Coronavac, enviado pelo laboratório Sinovac, está pronto para ser despachado, mas por questões aduaneiras o material está parado no país asiático. De acordo com Doria, existem 10 mil litros de insumos prontos na Sinovac aguardando autorização do governo chinês para embarque.

Redação com Metrópoles

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Política

HOMENAGEM PÓSTUMA: Projeto dá nome de Silvio Fávero a Fórum de Lucas do Rio Verde

Deputado de primeiro mandato faleceu após não resistir as complicações da covid-19 no dia 13 de março

Notícias 0 Comentários

ESQUERDOPATIA: JORNAL NACIONAL ENVOLVE BOLSONARO NO CASO MARIELLE

O caso Marielle, ganhou novos episódios e desta vez em matéria veiculada na rede globo, envolveu o presidente Jair Bolsonaro. Seja por convicção ideológica ou mesmo por falta de verba

Destaques

Lojas da Rede Comapa são fechadas em Rondonópolis pela Vigilância Sanitária

A Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis informa que na manhã desta segunda-feira (6), fiscais da Vigilância Sanitária do Município, com apoio da Polícia Civil, solicitaram o fechamento das lojas