STJ julgará toque de recolher na Bahia

STJ julgará toque de recolher na Bahia

O Tribunal de Justiça da Bahia remeteu para o Superior Tribunal de Justiça um habeas corpus que contesta o toque de recolher decretado pelo governador Rui Costa (PT).

Segundo o advogado Henrique Quintanilha que impetrou o ato, ”o Decreto de Toque de Recolher a partir das 20h é o exemplo de mais puro arbítrio de um governador que gere de modo incompetente a pandemia por fechou os hospitais de campanha até passar o carnaval e já responde inquérito por respiradores no STJ”. Sobre o Habeas Corpus coletivo inédito que advoga e acaba de ser encaminhado para o STJ pelo TJ/BA.

E afirma que ”há precedente do STF de 2020 que é categórico em não permitir, sob nenhuma justificativa, a restrição à liberdade de ir e vir dos cidadãos, desde que não amparada excepcionalmente por um laudo técnico da ANVISA, conforme se vê no julgado SL 1.315, específico sobre o toque de recolher na cidade de Umuarama-PR, e com base na ADIN 6.341, que tratou sobre a interpretação da lei da Pandemia. Não vamos admitir o avanço do totalitarismo comunista e supressão das liberdades fundamentais no primeiro estado do Brasil”, completou o causídico, que também é professor de Direito Constitucional.

Redação

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Economia

Cinco cidades de MT decretam toque de recolher, Cuiabá não irá decretar lockdown.

Prefeitos de mais 5 cidades de Mato Grosso decretaram toque de recolher para tentar conter o avanço dos casos de covid-19. Os decretos com as novas medidas foram publicados no

Mato Grosso 0 Comentários

Credenciamento de médicos legistas vai beneficiar Campo Verde e Guiratinga

O deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) se reuniu, nesta terça-feira (15), com o secretário de Estado de Segurança Pública (Sesp), Alexandre Bustamante, e o diretor-geral da Polícia de Identificação Técnica

Brasil

R$ 30 bilhões do Programa Federativo ajuda a pagar folhas nas prefeituras

A União já repassou R$ 30 bilhões aos estados e municípios por meio do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus. Os recursos, que vão totalizar R$ 60 bilhões até setembro,