PSB de Natasha e Alckmin vota sim à ‘saidinha de presos’ contrariando Bolsonaro

PSB de Natasha e Alckmin vota sim à ‘saidinha de presos’ contrariando Bolsonaro

A Câmara dos Deputados aprovou, na última quarta-feira (3) o projeto que acaba com saídas temporárias de presos das instituições prisionais no Brasil.

O texto do Projeto aprovado na Câmara segue para o Senado Federal, pois sofreu alterações.

Inicialmente, o projeto previa limitação das chamadas “saidinhas temporárias” de presos. No entanto, a Câmara dos Deputados decidiu extinguir completamente o benefício das “saidinhas”.

O texto aprovado na Câmara prevê a extinção total de qualquer possibilidade de saída, incluindo para presos do regime semiaberto, como visitas à familiares durante feriados, saídas para cursos ou outras atividades.

O Projeto foi aprovado com 311 votos favoráveis e 98 contrários.
O relator do texto aprovado é o governista Deputado Capitão Derrite (PL – SP), em seu relatório Derrite decidiu abolir por completo o benefício da “saidinha” e teve apoio da base do Governo Bolsonaro.

Parlamentares do PSB, PT, PSOL, PC do B, Rede, PDT, PV votaram contra o Projeto. Algumas figuras conhecidas como Tabata Amaral do PSB, Maria do Rosário do PT, Erika Kokay do PT, Orlando Silva do PC do B, Zeca Dirceu do PT, Jandira Feghali do PT e a Rosa Neide PT de Mato Grosso fizeram coro para a derrubada do projeto, mas foram vencidos na Câmara.

Parte da esquerda brasileira mais radical se uniu, mas conseguiram somente 98 votos.

Em Mato Grosso, a pré-candidata ao Senado Natasha Slhessarenko, filha da ex-senadora Serys do PT, terá o PSB como sua legenda e já entra na disputa tendo que dar explicações sobre a forte oposição do PSB contra um projeto que tem apoio maciço da sociedade.

Outro partido, o PDT tem votado muitas pautas contra o Governo Bolsonaro, e essa pauta da “saidinha de presos” é uma pauta da esquerda radical inimiga do agronegócio brasileiro.

DADOS E ESTUDOS:
Segundo dados da Secretaria Estadual da Administração Penitenciária de São Paulo, no réveillon de 2021 para 2022, 1628 presidiários não retornaram aos presídios no Estado, muitos aproveitam a “saidinha de fim de ano” para o cometimento de crimes e fuga, dizem especialistas. Para a população, a progressão de regime e a famosa “saidinha” é sinônimo de impunidade.

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 1Comentários

GALLI E BOLSONARO COMEMORAM VOTO IMPRESSO NAS ELEIÇÕES 2018

O voto impresso será utilizado nas eleições de 2018. A regra foi aprovada pelo Congresso na minirreforma de 2015, vetada pela ex-presidente Dilma Rousseff, mas teve o veto derrubado em

Polícia 0 Comentários

HISTÓRIA DIFÍCIL DE ENGOLIR: A INVESTIGAÇÃO DO CASO MARIELLE

De acordo com o Ministério Público, a causa mais provável para o assassinato da vereadora Marielle Franco foi sua atuação política em defesa de causas voltadas para as minorias. Os

Destaques 0 Comentários

ENQUETE APONTA NOVOS NOMES PARA DEPUTADO ESTADUAL EM RONDONÓPOLIS

Uma enquete realizada pelo site Marreta Urgente iniciada no dia 23 de abril e com encerramento nesta segunda-feira dia 30 perguntou ao internauta, SENDO ESTES OS CANDIDATOS DE RONDONÓPOLIS PARA