PF| Semana nacional de políticas sobre drogas em Rondonópolis

PF| Semana nacional de políticas sobre drogas em Rondonópolis

Prevista na Lei 13.840/2019, a quarta semana de junho é reconhecida como Semana Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD). Essa semana foi selecionada em alusão ao Dia Internacional de Combate às Drogas e Entorpecentes, celebrado em 26 de junho.

Na missão de combate às drogas, a Polícia Federal atua tanto em atividades preventivas quanto repressivas. A repressão se faz por meio de Operações policiais com prisões, apreensões e a descapitalização do crime organizado. Já a prevenção se dá por meio de atividades educativas, via de regra com parcerias estabelecidas com instituições de ensino.

Para concretização da atividade preventiva a Polícia Federal buscou fundamentos nas mais modernas descobertas da ciência da prevenção, tendo por parâmetros principais a adoção de métodos interativos, sistêmicos e multifatoriais.

Atualmente a Polícia Federal de Rondonópolis/MT tem à disposição três programas passíveis de serem aplicados junto às escolas, são eles: Elos 2.0, #Tamojunto 2.0 e Famílias Fortes.

No decorrer dessa semana a PF de Rondonópolis/MT realizará atividades de cunho preventivo e repressivo, com a apresentação de seus projetos a servidores da área da educação e a inauguração do seu perfil no Instagram (@gpred.roo.mt).

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias

COVID-19 – Todos os brasileiros estarão vacinados ainda em 2021, garante Pazuello

O Brasil terá 50% da população vacinada contra o novo coronavírus até junho. Mais: o país encerrará 2021 conseguindo imunizar todo o público vacinável, ou seja, maiores de 18 anos

EDUARDO BOLSONARO PODERÁ SER O NOVO PRESIDENTE DA CÂMARA

Jair Bolsonaro já articula a base de seu governo. E a movimentação incomoda o Centrão, formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade. O bloco deseja o reencaminhamento do deputado

Destaques

Suspeitas sobre a Igreja da Unificação e o assassinato do ex-primeiro-ministro japonês

TÓQUIO (AP) – O assassinato do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe revelou ligações há muito suspeitas e pouco comentadas entre ele e um grupo religioso que começou na Coreia do Sul,