quarta-feira, maio 22, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    PCC: Marcola é absolvido por lavagem de dinheiro em salão e depilação

    Apontado como líder máximo da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC), Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, foi absolvido no processo contra ele que tramitava no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) por lavagem de dinheiro.

    A denúncia apresentada pelo Grupo de Atuação Especial e de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público (MPSP), afirmava que Marcola; a esposa dele, Cynthia Giglioli Herbas Camacho; e os sogros do acusado compraram, com dinheiro em espécie, um imóvel de alto padrão em Alphaville Granja Viana, na Grande São Paulo, pelo valor de R$ 1,1 milhão.

    Os promotores também alegaram que Marcola e Cynthia usaram o salão de beleza Divas Hair Estética e Depilação, no bairro Casa Verde, em São Paulo, para lavar dinheiro do crime organizado. O MPSP se baseou em relatórios de inteligência financeira apresentado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para denunciar um faturamento mensal de aproximadamente R$ 16 mil da empresa.

    No processo, a acusação apontou “incompatibilidade entre os valores recebidos a título de depósitos em espécie com a movimentação financeira do estabelecimento”.

    No entanto, na sentença assinada nessa quarta-feira (24/4), o magistrado Leonardo Valente Barreiro, da 1ª Vara Especializada em Crimes Tributários, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores da capital paulista, entendeu que as provas usadas para acusar a família eram nulas.

    Para o juiz, os elementos colhidos nas investigações configuram a prática de fishing expedition – conduta que consiste em procuras especulativas por parte da polícia por objetos de um suposto crime sem que haja prévia investigação. O ato é considerado ilegal e, quando ocorre, todos os bens e objetos apreendidos, mesmo que ilícitos, deverão ser retirados do processo, e o acusado, absolvido.

    “Mais do que o mero acesso provocado, neste caso, concluiu-se que houve uma vasta pesquisa, genérica e deveras elástica, sobre os investigados, assemelhando-se a prática de relatórios por encomenda, o que continua proibido. Logo, ao que se verifica, as referidas decisões estão estreitamente ligadas e fundamentadas nos elementos já declarados nulos, sendo que, ao serem retiradas tais provas, as decisões não contêm fundamentos que, isoladamente, pudessem amparar o deferimento das graves medidas cautelares decretadas, concluindo-se que as provas não seriam produzidas de qualquer modo como resultado inevitável das atividades investigativas ordinárias e lícitas”, avaliou o magistrado.

    Por meio de nota, Bruno Ferullo, advogado de Marcola, considerou a decisão acertada, pois “a acusação não trouxe o mínimo de elemento para estabelecer liame [vínculo] ou nexo causal entre o crime antecedente e a suposta lavagem de dinheiro, sendo certo ainda que não houve qualquer conclusão no sentido de que os investigados desenvolviam com habitualidade a prática ilícita, muito menos que entre eles havia vínculo perene e estável direcionado a lavagem de capitais, de modo que seria impossível afirmar que houve qualquer prática delitiva”.

    Além disso, para possibilitar a prolação de uma sentença favorável, a defesa de Marco acrescentou que “ao longo da [fase de] instrução [do processo] não foi produzida qualquer prova que pudesse respaldar a acusação do Ministério Público, pois, entre os eventos narrados pelo órgão acusatório, constam só informações genéricas, abstratas e superficiais, que tentam corroborar, sem êxito, e estabelecer ligação entre Marco, os familiares dele e uma absurda acusação de lavagem de dinheiro”.

    Por fim, cita ainda que a decisão do magistrado reconheceu que não houve efetiva demonstração nos autos de que os valores pagos pelo imóvel foram oriundos de qualquer prática criminosa cometida pelo acusado Marco.

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    ALMT|VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

    FESTA DAS NAÇÕES 2024

    BRASIL