Para chamar atenção de ex, mulher coloca veneno de rato na comida e come com filha de 6 anos

Para chamar atenção de ex, mulher coloca veneno de rato na comida e come com filha de 6 anos

Neste sábado (8/05) em Ivinhema, a 298 km de Campo Grande, uma mulher, de 34 anos, foi presa após colocar veneno de rato na comida e comer com a filha de 6 anos.

Durante a noite, por volta das 22h (de MS), ela se arrependeu e entrou em contato com o Corpo de Bombeiros. Ambas receberam atendimento médico e foram encaminhadas para um hospital de Dourados, na região sul do estado. De acordo com a delegada, quando soube dos fatos, o pai da criança foi até a unidade hospitalar.

“Ela comprou um veneno de rato e aí colocou em diversos alimentos para filha e ambas comeram tudo. Ao que nós soubemos ela já tinha tentado suicídio em outras ocasiões e dizia que iria cumprir e levar a filha junto, só que ela se arrependeu e ela mesmo acionou o Corpo de Bombeiros”, afirmou a delegada.

Uma carta de despedida deixada pela mulher foi apreendida pela polícia, assim como, restos de alimentos envenenados com chumbinho.

A criança está com o pai e ainda não foi ouvida. A mãe da criança está detida na cadeia de Angélica com a representação de sua prisão preventiva para o crime de homicídio na forma tentada por emprego de veneno.

Redação com Terra Digital MT

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 1Comentários

O GRUPO UOL (FOLHA DE SP) RECEBEU R$ 225 MILHÕES DO GOVERNO DO PT

Na última semana, o parlamentar Jair Bolsonaro, pré-candidato a presidência da república recebeu diversas acusações [FALSAS], do Grupo Folha de São Paulo. O brasileiro passa a entender melhor a mídia

Educação 0 Comentários

Estudantes brasileiros vencem desafio mundial da Nasa com projeto sustentável

Uma equipe formada por estudantes baianos entre 18 e 23 anos foi umas das grandes vencedoras mundial do hackathon da Nasa – o Nasa Space Apps Challenge 2019 –, realizado

MILITANTES AGRIDEM JORNALISTAS DURANTE PROTESTO EM SBC NO SÁBADO

Ações contra jornalistas no exercício da profissão se intensificaram nos últimos dois dias, em protestos contrários à ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste sábado (7.abr.2018),