quinta-feira, abril 18, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    NOVO E PTB FAZEM PARTE DOS “NANICOS”, SAIBA QUAIS PARTIDOS NÃO SOBREVIVERAM À CLÁUSULA DE BARREIRA

    Das 32 siglas atuais, apenas 13 conseguiram preencher os requisitos para permanecer atuando de forma plena, com as demais ficando excluídos da distribuição de recursos nas próximas eleições.

    A cláusula de barreira foi adotada pela primeira vez no Brasil em 2018, com previsão legal de aumentar os requisitos a cada eleição. Em 2022, para atingir o desempenho necessário, cada partido teve de atender a uma de duas alternativas: uma é atingir 2% dos votos válidos para deputado federal, distribuídos em ao menos nove estados, com ao menos 1% de votos válidos em cada estado. Uma alternativa é eleger ao menos 11 deputados federais, distribuídos em ao menos nove estados.

    Confira a seguir a lista de quais partidos tiveram desempenho inferior ao estabelecido na cláusula, e quantos deputados elegeram:

    Patriota: 4

    PSC: 6

    PTB: 1

    Solidariedade: 4

    Pros: 3

    Novo: 3

    PCB: 0

    UP: 0

    Agir: 0

    PMN: 0

    PMB: 0

    DC: 0

    Sem acesso ao fundo eleitoral

    O não atendimento aos requisitos da cláusula de barreira compromete seriamente seu funcionamento: financeiramente, eles ficam sem acesso ao fundo eleitoral e partidário, bem como ao tempo de transmissão de rádio e televisão, principal moeda de troca das pequenas legendas. Em exercício, os partidos ficam incapazes de segurar seus parlamentares, que ficam autorizados a mudar de sigla sem perda de mandato.

    Caso queiram escapar dessas restrições, cada partido tinha duas alternativas possíveis: uma era a formar uma federação cuja soma dos votos fosse suficiente para atender à cláusula. Opção que fizeram, por exemplo, PV e PCdoB ao formar federação com o PT, ou o Cidadania ao se unir ao PSDB. Com isso, porém, tais partidos perdem autonomia, com a federação se comportando como um único partido e com uma única liderança. Por outro lado, os partidos preservam seu registro e seu acesso a recursos eleitorais.

    Uma alternativa seria a fusão entre os partidos: seja com pequenos partidos anexando uns aos outros até juntar um tamanho suficiente para sobreviver, seja permitindo a incorporação por parte de um partido maior. Esse caminho já possui efeito permanente, e foi a solução adotada pelo antigo PHS, incorporado pelo PCdoB na última legislatura, e o antigo PRP, fundido com o Patriota.

    Em 2026, a cláusula de barreira cresce novamente: o mínimo de 11 deputados passa para 13, e o mínimo de 2% de votos válidos sobe para 2,5%. Essa porcentagem ainda deverá subir novamente em 2030, com o mínimo de 15 deputados ou 3% dos votos válidos. Esse aumento existe não apenas no Brasil como também em outros países que adotam o sistema eleitoral proporcional, e serve para evitar o excesso de fragmentação das bancadas no parlamento.

    Redação com Congresso em Foco

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    CÂMARA -CUIABÁ - BALANÇO 2023

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL