Mortandade de peixes em Itiquira: Relatório aponta que falha em gerador de usina.

Mortandade de peixes em Itiquira: Relatório aponta que falha em gerador de usina.

O relatório sobre a mortandade de peixes no Rio Corrente, em Itiquira, no sudeste do estado, apontou que houve falha no gerador da usina, o que causou a redução da vazão do rio.

A Polícia Ambiental apurou que houve uma mortandade de cerca de 500 quilos de peixes, na segunda-feira (17).

A usina hidrelétrica Ponte de Pedra reconheceu a falha, mas disse que a situação está normalizada.

No entanto, até essa quarta-feira (19), peixes das espécies curimbatá, tucunaré, três pintas, piraputanga, entre outros, estavam presos porque a vazão do rio ainda está baixa.

O documento aponta ainda que uma das três unidades da usina estava em manutenção e houve o desligamento das outras duas. O gerador de emergência não ligou automaticamente e o procedimento precisou ser feito manualmente. Isso demorou aproximadamente três horas.

O relatório feito pelos policiais ambientais será encaminhado à promotoria e para a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema).

O Rio Corrente fica na divisa da região sudeste de Mato Grosso com Mato Grosso do Sul. Ele é afluente do Rio Piquiri, que faz parte da bacia do Rio Paraguai e deságua no Pantanal.

Redação com Nortão Noticias

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Milho e etanol: uma união de valor

Há quem diga que o milho em poucas safras irá ultrapassar o volume da soja em Mato Grosso. Não duvido muito, até porque hoje produzimos praticamente a mesma quantidade de

Polícia 0 Comentários

CABO DA PM PRÉ-CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL É MAIS UMA VÍTIMA DA INSEGURANÇA PÚBLICA

O cabo da PM  Laudicério Aguiar Machado foi mais uma vítima da insegurança que ronda a população mato-grossense. No sábado (19) por volta das 12h30, enquanto saia de uma reunião

Notícias

Prefeitura e Secretários são acionados na Justiça por descumprir decreto em Rondonópolis

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur) entrou com uma ação judicial contra a Prefeitura e os secretários municipal de Educação Rogério Penso e secretário de Saúde Rodrigo