quarta-feira, abril 17, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    Milei proíbe ‘Linguagem inclusiva’ como ‘soldadxs’ e ‘sargenta’ nas Forças Armadas

    O idioma espanhol deve ser usado em conformidade com as regras gramaticais

    O líder argentino, Javier Milei, baniu a “linguagem inclusiva” nas Forças Armadas e em todas as instituições associadas ao Ministério da Defesa. A proclamação foi divulgada no Boletim Oficial da Presidência na segunda-feira, dia 26.

    O texto assinado pelo Ministro da Defesa, Luis Petri, estabelece que “Proíbe-se a utilização da chamada ‘linguagem inclusiva’ no âmbito do Ministério da Defesa, das Forças Armadas e dos órgãos descentralizados do ministério”.

    Assim, não se permite mais o uso de expressões como “sargenta” e “caba”. Alterações para representar identidades “não binárias”, como “soldadxs” ou “soldades”, também estão proibidas.

    “Não se pode substituir as letras a e o, que diferenciam o gênero, com a arroba, o asterisco, o e ou o x porque se tem a vontade de fazer isso contra o ‘androcentrismo’ ou de refletir com ela uma realidade sociopolítica. Essa substituição é alheia à morfologia do espanhol e desnecessária, porque o masculino genérico ou masculino gramatical é inclusivo, e cumpre essa função como termo não marcado da oposição de gênero”, diz o documento.

    Conforme o documento, o uso do idioma espanhol será necessário, de acordo com as normas e regulamentos aplicáveis a cada campo respectivo. Isso deve ser feito sob os termos e diretrizes estabelecidos pela Real Academia Espanhola (RAE) e os regulamentos e manuais em vigor nas Forças Armadas da Argentina.

    A RAE, segundo o boletim, define que “o funcionamento do sistema linguístico não é decidido por alguém em particular, e é o resultado de sua evolução histórica”.

    Qualquer alteração ou distorção do castelhano que não seja padronizada ou apoiada por um quadro legal adequado pode resultar em interpretações errôneas.

    Antes de Milei, linguagem “inclusiva” era permitida pelo Ministério da Defesa
    No documento de 2020 do governo anterior, o ministro da época, Agustín Rossi, garantiu que seu ministério continuaria “acompanhando as mudanças culturais nas relações de gênero que foram forjadas através de anos de compromisso das mulheres”.

    Na publicação do Ministério da Defesa, intitulada “Mulheres Argentinas”, Rossi escreveu que esperava que “a perspectiva de gênero [fosse] transversal a toda a instituição”.

    O texto apelava para que isso não fosse o resultado de uma “imposição”, uma vez que as mulheres, “em termos gerais, não concordam com a feminização das denominações”.

    Em 2022, um major-general chamou atenção das manchetes ao se referir a “soldados e soldadas”, demonstrando uma prática discricionária. As informações são da Revista Oeste.

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    CÂMARA -CUIABÁ - BALANÇO 2023

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL