Legião Urbana – Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá autorizados pelo STJ para uso da marca

Legião Urbana – Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá autorizados pelo STJ para uso da marca

Nesta quarta-feira (29/6), a 4ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu pela possibilidade de o guitarrista Dado Villa-Lobos e baterista Marcelo Bonfá de usarem a marca Legião Urbana, que hoje é administrada por Giuliano Manfredini, filho do cantor e compositor Renato Russo. Após adiamento do último julgamento pelo ministro Antônio Carlos Ferreira, o voto de desempate foi do ministro Marco Buzzi.

“Para mim, foi o melhor presente que poderia receber no dia do meu aniversário. É um fardo que estou tirando das minhas costas. Decisão da Justiça é para ser cumprida. Mas, quero deixar claro que nunca usamos a marca Legião Urbana. Bonfá e eu fizemos shows com nossas músicas, para comemorar 30 anos dos discos de estreia, do Dois e do Que país é este? de uma banda que saiu de Brasília para conquistar o Brasil e se tornar universal”, destaca Dado Villa-Lobos, guitarrista. “Poderemos voltar a fazer shows quando houver possibilidade de reunir as pessoas e celebrar o que fizemos pelo rock, pela música, pela cultura brasileira, mas obviamente não tem nada planejado por enquanto. Agora só queremos comemorar essa vitória que obtivemos na justiça”, acrescenta.


O caso estava há oito anos se desenrolando na Justiça. Giuliano Manfredini começou a notificar Villa-Lobos e Bonfá quando faziam apresentações ou usavam de alguma forma a marca da banda por afirmar ter os direitos totais pelo nome Legião Urbana. Assim, em 2013, os dois músicos, que fizeram parte da formação mais famosa da banda brasiliense, entraram com uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em 2013 para impossibilitar este tipo de cobrança de Manfredini. Dado e Marcelo se viam no direito de usar o nome da Legião Urbana por terem participado do início e do crescimento do conjunto que se tornou um dos mais famosos do país.

Após a última decisão do STJ, os artistas poderão utilizar a marca sem precisar de autorização de Giuliano Manfrendini ou de um acordo financeiro com o produtor cultural. O ministro Marco Buzzi divergiu da relatora Maria Isabel Gallotti, e acompanhou o voto de Antonio Carlos Ferreira. O placar foi 3 a 2 para Villa-Lobos e Bonfá. Buzzi defendeu que os ex-integrantes da Legião Urbana foram responsáveis por construir o legado cultural brasileiro e, portanto, possuem direito de apresentar as obras autorais em nome da banda. Cabe recurso.

Redação com Correio Braziliense


Sobre o Autor

Talvez você também goste

Brasil

Alexandre de Moraes proíbe Sara Winter de ir ao aniversário do filho

Sara Winter foi proibida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, de ir à festa de aniversário do próprio filho, Hector, que completa 5 anos no próximo

Destaques

VEREADOR FAZ AGLOMERAÇÃO PARA MOSTRAR OBRAS, SEM USO DE MÁSCARAS

Na busca incessante por divulgar “feitos “e “obras” de sua “autoria”, alguns se esquecem de que vivemos em uma pandemia e que cuidados são necessários para prevenção ao Covid-19. O

Marretadas 0 Comentários

UM “REI” NA CÂMARA DE VEREADORES

Um vício político muito comum é a barganha, a negociação e a incoerência. Eis um caso evidente; em uma pesquisa no Facebook localizamos uma postagem de aproximadamente 60 dias atrás,