quinta-feira, abril 11, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    Influenciador que teve bens apreendidos pela polícia ostenta mansão, Porsche e lancha nas redes

    Um influenciador digital com mais de 280 mil seguidores nas redes sociais é um dos alvos da operação deflagrada pela polícia no Ceará nesta sexta-feira (22), contra um grupo suspeito de lavagem de dinheiro, crime contra a economia popular e estelionato em vários estados do país. Ele não foi preso.

    Rodrigo Borges, identificado por uma fonte da polícia como um dos investigados, costumava ostentar nas redes sociais com mansão, viagens, lancha e veículos de luxo na garagem como Porsche e uma Lamborghini Huracán EVO, esta última avaliada em R$ 3 milhões.

    A casa do influenciador, localizada em um condomínio de alto padrão em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza, foi um dos endereços onde os mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

    Durante a operação a polícia apreendeu oito automóveis, uma lancha, 25 relógios de luxo e um imóvel foi sequestrado. O total de bens apreendidos estão avaliados em R$ 14 milhões.

    Vítimas atraídas pelas redes sociais

    O esquema criminoso que o influenciador é suspeito de participar consistia na abertura de empresas e operaçães automatizadas que prometiam aos investidores grande retorno financeiro com base em investimentos de criptomoedas e apostas on-line.

    “Essa organização criminosa trabalhava com crimes contra a economia popular, pirâmides financeiras, estelionatos, vendendo falsas aplicações, prometendo ganhos exagerados, totalmente acima do mercado legal”, disse o chefe da Polícia Civil do Ceará, delegado Márcio Gutiérrez .

    Segundo as investigações da Polícia Civil, que já duram 1 ano, os suspeitos fizeram centenas de vítimas em diversos estados e atualmente estavam no Ceará desfrutando de bens de alto valor econômico.

    Essa ostentação nas redes sociais, inclusive, era uma das maneiras usadas pelos investigados para atrair novas vítimas.

    “Esse grupo ele buscava ostentar nas redes sociais mostrar para as pessoas que tinham sucesso que conseguiram esse sucesso através dessas aplicações e com isso estimulavam essas pessoas a serem clientes vendendo falsas remunerações”, falou o delegado.

    Ainda segundo o delegado, o grupo criminoso costumava registrar os bens no nome de outras pessoas, para não levantarem suspeita.

    “Nenhum desses veículos está em nome desses alvos dos mandados de busca. Eles buscam afastar o patrimônio dele para tirar a atenção da Polícia Civil”, disse Márcio Gutiérrez.

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    CÂMARA -CUIABÁ - BALANÇO 2023

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL