quinta-feira, fevereiro 22, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    Equipes lutam contra o tempo para resgatar sobreviventes de terremoto no Japão; 48 morreram

    Cenas de devastação surgiram nesta terça-feira (2) ao longo da costa oeste do Japão, enquanto equipes de resgate corriam para salvar moradores presos nos escombros de um terremoto de magnitude 7,5 que provocou vários tremores secundários e matou dezenas de pessoas.

    O terremoto abalou a Península de Noto, na província central de Ishikawa, na tarde de segunda-feira (1º), desabando edifícios, provocando incêndios e disparando alertas de tsunami em lugares tão distantes quanto o leste da Rússia.

    Ao menos 48 pessoas morreram, conforme detalhou um porta-voz da província de Ishikawa à CNN.

    A Agência Meteorológica do Japão suspendeu todos os avisos de tsunami ao longo de partes da costa oeste do país nesta terça, mas mais de 24 horas após o terremoto, o acesso à parte norte da isolada Península de Noto foi limitado.

    O primeiro-ministro, Fumio Kishida, disse a repórteres após uma reunião de emergência que uma estrada destruída cortou o acesso à área.

    Autoridades em helicópteros sobrevoaram a península, conhecida por suas paisagens costeiras e rurais, e relataram ter visto estradas danificadas, deslizamentos de terra e grandes incêndios, disse ele.

    “Para garantir a rota até lá, devemos mobilizar todos os meios de transporte, não só terrestres, mas também aéreos e marítimos. Temos feito um esforço para transferir bens, suprimentos e pessoal para lá desde a última noite”, disse Kishida.

    A cidade central de Wajima, onde vivem mais de 27 mil pessoas, parece estar entre as mais atingidas. Autoridades locais disseram à CNN que 15 pessoas morreram na região.

    A cidade costeira é famosa pelo seu mercado matinal e pelas suas finas e tradicionais peças pintadas, mas as primeiras pesquisas aéreas revelaram incêndios latentes e grandes nuvens de fumo que engolfavam as ruas dos edifícios destruídos.

    Mais de 100 lojas e casas foram incendiadas em Wajima na noite de segunda, depois de um incêndio que se iniciou após o terremoto, informou a emissora pública japonesa NHK.

    Anteriormente, a cidade viu ondas de tsunami de cerca de 1,2 metros, de acordo com a NHK.

    Os alertas de terremoto e tsunami levaram milhares de pessoas a fugir das zonas costeiras. Na tarde desta terça, mais de 27.700 pessoas em Ishikawa haviam se abrigado em 336 centros de evacuação, disse o porta-voz do governo local à CNN.

    Embora a extensão dos danos causados ​​pelo terremoto ainda esteja sendo determinada, está longe dos níveis de destruição provocados pelo terremoto de magnitude 9,0 de 2011, que desencadeou um tsunami que causou um colapso nuclear na usina de Fukushima, em um desastre que ainda é sentido até hoje.

    Tentativas de resgate noturnos
    O primeiro-ministro Kishida afirmou que membros da Força de Autodefesa do Japão se juntaram à polícia e às equipes de emergência dos bombeiros para resgatar pessoas de áreas devastadas durante a noite.

    “Os esforços de resgate são uma batalha contra o tempo. Especialmente as vítimas de edifícios desabados, têm de ser salvas o mais rapidamente possível”, disse ele.

    O corpo de bombeiros do Japão disse na segunda que estava respondendo a relatos de pessoas presas sob edifícios danificados, informou a NHK.

    Um homem idoso que havia sido retirado de uma casa que desabou no terremoto foi posteriormente confirmado como morto, segundo a NHK, citando a polícia de Ishikawa.

    Autoridades de saúde da cidade de Suzu disseram que alguns médicos não podiam tratar pacientes feridos porque estradas danificadas impediam que eles viajassem para trabalhar.

    Enquanto isso, 45.700 residências em Ishikawa permaneceram sem energia nesta terça, de acordo com a empresa de energia Hokuriku Electric Power.

    Após o terremoto, a Kansai Electric do Japão e o secretário-chefe de gabinete, Yoshimasa Hayashi, disseram que nenhuma anormalidade foi relatada em usinas nucleares perto das áreas afetadas.

    Quatro trens-bala, cujas viagens de alta velocidade foram interrompidas quando ocorreu o terremoto, prendendo quase 1.400 passageiros em seu interior por cerca de 11 horas, retomaram os serviços nesta manhã, segundo a NHK, citando a Japan Railways West.

    Os trens de alta velocidade ficaram presos entre as cidades centrais de Toyama e Kanazawa após o tremor de magnitude 7,5.

    Ameaça de tremores secundários permanece
    O poderoso terremoto de segunda levou a Agência Meteorológica do Japão a emitir imediatamente um “grande alerta de tsunami” – o primeiro desde o devastador terremoto e tsunami de 2011 – para Noto, mas depois o rebaixou para um “alerta de tsunami”.

    Os alertas de tsunami foram posteriormente cancelados à medida que a ameaça de novas ondas de tsunami diminuía.

    De acordo com o sistema de alerta de tsunami do Japão, as ondas esperadas com menos de um metro enquadram-se no “aviso de tsunami”, enquanto as esperadas até 3 metros enquadram-se no “alerta de tsunami” e as ondas esperadas acima de 5 metros enquadram-se no “alerta de tsunami de grande magnitude”.

    As primeiras ondas atingiram a costa pouco mais de 10 minutos após o terremoto. Um vídeo mostra uma onda quebrando sobre um paredão protetor na cidade de Suzu, no oeste.

    De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, pelo menos 35 tremores secundários menores foram relatados perto do epicentro do terremoto.

    Susan Hough, sismóloga do Serviço Geológico dos EUA, alertou que os tremores secundários podem durar meses.

    Hough disse que as pessoas que vivem naquela parte do país já sentiram terremotos antes, mas ela acredita que este é “de longe o maior terremoto” – o que significa que a maioria dos residentes provavelmente não tem experiência com um evento sísmico desta escala.

    “Um terremoto deste tamanho continuará a ter réplicas. Poderia facilmente ter tremores secundários maiores que magnitude 6, então isso será um perigo por si só”, disse Hough.

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    AMOR ALÉM DA VIDA

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL