sábado, maio 25, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    Energia elétrica subiu 82% em 10 anos

    A conta de luz vem ocupando um peso considerável no orçamento dos brasileiros, principalmente daqueles que ganham menos. Nos últimos dez anos, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a tarifa residencial aumentou 82%, com o custo do Megawatt-hora passando de R$ 340,90 em 2011 para R$ 622,20 em 2021. A expectativa dos especialistas, no entanto, é que a energia elétrica continue subindo de preço, ultrapassando a inflação.

    Até abril, ainda vigora a bandeira de escassez hídrica, com a cobrança adicional de R$14,20 para cada 100kWh consumidos. Segundo o economista da FGV, André Braz, apesar do alto volume de chuvas em janeiro, uma seca no Sul do país gera pessimismo para a recuperação plena dos reservatórios em 2022.

    Uma análise da Agência Internacional de Energia (IEA), feita com números de 2018, revela que antes da crise hídrica o Brasil já era o segundo país com a tarifa de energia mais cara do mundo. Para o consultor de energia elétrica Fernando Umbria, é possível que o Brasil ganhe a liderança quando os números mais recentes forem computados.

    Outros dados da IEA ainda apontam que enquanto o mundo utiliza apenas 26% de matriz energética renovável, o Brasil usa 82%, com predominância das hidrelétricas. Sem diversificar as matrizes, as termoelétricas passaram a ser soluções emergenciais que custam caro.

    — O racionamento em 2001 foi o que incentivou as térmicas, porque começou-se a perceber as fragilidades do sistema. Em 2021, ficamos numa situação desconfortável, mas conseguiram atender a demanda a um custo absurdamente elevado, que vamos pagar por muito tempo — opina Umbria: — Acredito que as térmicas são necessárias sim, mas o país veria ter dado mais atenção a usinas a gás, em detrimento de óleo combustível, que é mais caro.

    Alto custo para implementação de fonte limpa

    O ano de 2021, marcado pela crise hídrica, também teve a maior ampliação da geração eólica registrada no país. As usinas movidas pela força dos ventos responderam por 3.694,32 MW de potência instalada, marca que ultrapassou o recorde de 2014, de 2.786 MW liberados pela Aneel. Porém, atualmente, essa matriz energética representa apenas 11,59% da potência do Brasil.

    Subsídios com tempo contado

    No início de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro sancionou um projeto de lei que define prazos para encerrar subsídios a quem produz sua própria energia,na maioria dos casos através de painéis solares instalados em casas ou condomínios. A proposta mantém a isenção de encargos setoriais até 2045 para quem já possui hoje as estruturas instaladas e estabelece cobranças gradativas para novos clientes. O repasse começa em 15% em 2023 e atinge 100% em 2029.

    Redação com Extra

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    ALMT|VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

    FESTA DAS NAÇÕES 2024

    BRASIL