quinta-feira, fevereiro 22, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    El Salvador: Bukele diz ter vencido com folga após divulgação de resultados parciais

    Como indicavam todas as pesquisas, o atual presidente de El Salvador, Nayib Bukele, venceu com grande vantagem as eleições presidenciais realizadas no domingo (4/2).

    Com 31% dos votos apurados, o candidato do partido governista Nuevas Ideas conta até agora com um apoio esmagador de quase 1,3 milhões de votos.

    Em segundo lugar, muito distante de Bukele, está Manuel Flores, candidato da FLMN, com apenas 110 mil votos.

    “Hoje El Salvador quebrou todos os recordes de todas as democracias em toda a história do mundo”, disse Bukele após conhecer os primeiros resultados. “Nunca um projeto ganhou com o número de votos que conquistamos hoje. É literalmente a porcentagem mais elevada de toda a história.”

    Em um discurso proferido no Palácio Nacional perante uma multidão que lotou o centro histórico da capital San Salvador, o presidente garantiu que, segundo os seus dados, teria vencido as eleições presidenciais com “mais de 85%” dos votos.

    “E não só ganhámos a Presidência, mas ganhamos a Assembleia Legislativa com pelo menos 58 dos 60 deputados”, disse ele entre gritos de “Sim, podemos” e aplausos dos seus seguidores. Até ao momento não foram publicados resultados oficiais para o pleito na Assembleia.

    “Seria a primeira vez que um partido único existiria em um país com sistema totalmente democrático. Toda a oposição junta foi pulverizada. El Salvador, este dia voltou a fazer história”, acrescentou.

    Se confirmados os resultados, Bukele se tornará o primeiro presidente a governar o país centro-americano pelo segundo mandato consecutivo desde que a atual Constituição foi promulgada em 1983.

    O documento proíbe a reeleição imediata, mas os juízes da Câmara Constitucional – eleitos pela Assembleia Legislativa em que o partido de Bukele tinha maioria – fizeram uma interpretação polêmica da Constituição para permitir a candidatura do presidente,

    Bukele se afastou do cargo com uma licença de seis meses em dezembro, em uma manobra para superar o último obstáculo legal para concorrer a um segundo mandato.

    Governos de outros países como México, China, Guatemala, Honduras, Panamá e Paraguai parabenizaram publicamente Bukele, apesar dos dados oficiais sobre a contagem de votos ainda não estarem disponíveis.

    O Tribunal Supremo Eleitoral justificou o atraso na publicação dos primeiros resultados oficiais (que só chegaram quatro horas após o encerramento das urnas) porque alguns cidadãos não tinham conseguido votar em centros localizados no exterior, apesar de terem chegado antes da hora de encerramento oficial do horário de votação. As autoridades eleitorais decidiram estender os horários para garantir o seu direito ao voto.

    Segurança e direitos humanos
    Bukele já era amplo favorito desde o começo da campanha, pois tem índices de aprovação de até 90% entre a população desde que assumiu a presidência em 2019, segundo diversos estudos.

    Durante o seu primeiro mandato, os níveis de violência foram reduzidos a mínimos históricos em El Salvador, que em 2015 era o país com o maior número de homicídios per capita no mundo e é hoje um dos mais seguros das Américas.

    No entanto, a sua “guerra contra gangues” e o regime de emergência em vigor no país há quase dois anos também lhe renderam milhares de acusações por detenções arbitrárias de pessoas inocentes, abusos contra os direitos humanos e tortura e morte de centenas de pessoas privadas dos seus direitos e liberdade.

    Desde o início do regime de emergência, decretado no país em março de 2022 para combater a violência e sob o qual vários direitos constitucionais permanecem suspensos, mais de 75 mil pessoas foram presas por alegadas ligações a gangues, fazendo de El Salvador o país com a maior taxa de encarceramento do mundo.

    No seu discurso de vitória, Bukele dedicou palavras duras à imprensa e às organizações internacionais que criticaram a sua estratégia de segurança.

    “Alguns que não vivem no nosso país dizem que os salvadorenhos vivem oprimidos, que não querem o regime de emergência, que vivem com medo do governo (…). O povo salvadorenho falou, não apenas em alto e bom som, mas da forma mais contundente em toda a história da democracia”, disse ele.

    “Se isso não os convence, senhores jornalistas, senhores das ONG, das organizações internacionais, da ONU, da OEA… se isso não os convence, nada os convencerá.”

    Sem dúvida, a grande maioria da população salvadorenha aprova a abordagem “mão de ferro” de Bukele.

    Uma pesquisa da Universidade Francisco Gavidia publicada em janeiro sugere que 86% afirmaram viver mais seguros e apenas 12% afirmaram que, se antes eram as gangues que instilavam o terror, agora são a polícia e os militares os responsáveis ​​pela continuidade da situação de insegurança.

    “Nós, salvadorenhos, demos ao mundo inteiro o exemplo de que tudo pode ser resolvido, qualquer problema pode ser resolvido, se houver vontade de fazê-lo”, afirmou.

    No entanto, o presidente não deu pistas específicas sobre o que planeja para o seu segundo mandato.

    “Agora, nestes próximos cinco anos, esperem e vejam o que vamos fazer. Porque continuaremos a fazer o impossível, continuaremos a mostrar ao mundo o exemplo de El Salvador”, disse Bukele.

    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    AMOR ALÉM DA VIDA

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL