EITA CALOR: PICOLÉ E SORVETES NAS SECRETARIAS MUNICIPAIS EM RONDONÓPOLIS

EITA CALOR: PICOLÉ E SORVETES NAS SECRETARIAS MUNICIPAIS EM RONDONÓPOLIS

Uma publicação no Diário Oficial da Prefeitura de Rondonópolis, deixou algumas dúvidas no dia 5 de março de 2021, consta que a Empresa Comercial Luar Eireli, irá fornecer para as secretarias do município Arroz, Feijão, Carne Bovina, Queijo Mussarela, Requeijão Cremoso, Café, Picolé, Sorvete Gelo, Sal, Açúcar e Óleo Comestível.

O que chamou atenção foi os picolés e sorvete. Apesar do município ter uma temperatura que pode ser superior a 40 °C e a mínima raramente chega aos 13°C, considerado um dos mais quentes do país, nada justifica que me tempos de pandemia e contenção de gastos compra como picolé e sorvete estejam entre as prioridades para os órgãos públicos municipais.

 Outro lado

A reportagem contactou a Prefeitura de Rondonópolis, que justificou a situação como um erro de publicação, que foi corrigido no diário oficial. Segundo a justificativa o erro ocorreu porque a publicação deveria ter sido realizada apenas para identificar a fiscal do contrato e acabou sendo publicado e seu teor itens de um pregão.

E segundo a assessoria mesmo que estes itens sejam cotados como picolé e sorvete, não implica necessariamente em suas aquisições.

Redação

Talvez você também goste

Polícia

Convite para assassinato – Menor chamado para usar drogas é torturado e executado a tiros

Kawan Bruno Oliveira Silva, 17 anos, foi sequestrado, torturado e morto a tiros, na madrugada de domingo (7), no bairro Jardim Ouro Verde, em Nova Olímpia (207 km de Cuiabá).

Mato Grosso

Gás natural|Maior oferta reduziria custos de produção em MT, aponta pesquisa

Apesar do contrato ativo com a Bolívia para fornecimento de gás natural, a quantidade que chega ao Mato Grosso não é suficiente para atender a demanda. Quase todo o combustível

Destaques 0 Comentários

RODRIGO MAIA E O “SACO DE MALDADES” PARA TRAVAR A REFORMA ADMINISTRATIVA

A reforma administrativa que marcou o início do governo Bolsonaro corre o risco de virar letra morta. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ignorou o acordo entre governo, Centrão