EFEITO LAVA JATO: INVESTIGADOS QUE NÃO SE ELEGERAM

EFEITO LAVA JATO: INVESTIGADOS QUE NÃO SE ELEGERAM

A Operação Lava Jato é uma vitoriosa. O número de investigados por ela que não conseguiram se reeleger é grande, até mesmo entre os mais conhecidos. No Ceará, o presidente do Senado, o emedebista Eunício Oliveira, buscava um novo mandato mas acabou ficando em terceiro lugar em uma eleição disputada. O mesmo aconteceu em Roraima, com o presidente nacional do MDB, Romero Jucá. A família Sarney foi abatida quase por inteiro do poder. Não deu para Roseane Sarney, do MDB, que acabou vencida na disputa pelo governo maranhense por Flávio Dino, reeleito. Sarney Filho e Edison Lobão também não conseguiram espaço no Senado. Ficou solitário um neto do ex-presidente, que se elegeu para a Assembleia local.

Não é uma lista pequena entre investigados ou mesmo entre aqueles que a combateram. A começar pela ex-presidente Dilma Rousseff, que teve no impeachment os direitos políticos mantidos, mas que o povo mineiro escolheu tirar da política por um tempo. Ela ficou em terceiro e não vai ao Senado.

Lista longa mesmo. Inclui ainda Beto Richa, tucano do Paraná. Lindbergh Farias, do PT fluminense. Delcidio Amaral, do PTC sul-mato-grossense. Marco Antonio Cabral, filho de Sergio Cabral; Daniele Cunha, filha de Eduardo Cunha; Leonardo Picciani, filho de Jorge Picciani — os três representantes do núcleo central do MDB do Rio. Não entrou tampouco Cristiane Brasil, do PTB-RJ, filha de Roberto Jefferson. Ou ainda: Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM); Cassio Cunha Lima (PSDB-PB); Garibaldi Alves Filho (MDB-RN); Wadih Damous (PT-RJ); Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), irmão de Geddel.

A grande surpresa foi no Espírito Santo, o quase vice de Jair Bolsonaro, Magno Malta, do PR não conseguiu a reeleição.

A Câmara dos Deputados passará a ser mais claramente dividida entre direita e esquerda. São justamente os partidos de Bolsonaro e Haddad que terão as maiores bancadas: PT e PSL elegeram mais de 50 deputados cada e serão as siglas com mais força na Casa. O deputado federal mais votado é Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável. Ele desbancou Enéas Carneiro, Celso Russomanno e Tiririca e tornou-se o deputado federal com mais votos na história. Candidato do PSL no Rio, recebeu, segundo O Globo, mais de 1,7 milhão de votos.

Redação com Canal Livre

Sobre o Autor

Talvez você também goste

MINISTRO DIAS TOFFOLI SUSPENDE COAF SEM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL

O presidente do Supremo, José Antonio Dias Toffoli, mandou suspender nacionalmente o andamento de todos os processos instaurados sem supervisão da Justiça que se baseiem em dados recebidos de órgãos

Notícias

Grupo Retrô Samba realiza Live Solidária neste sábado (23)

Neste sábado (23), o grupo Retrô Samba, realiza a Live solidaria a partir da 13h. O objetivo é auxiliar os músicos, técnicos de som, que estão sem renda neste período

Polícia

Mulher perseguida por ‘Assediador’, descobre que ele é amante do Marido

Este caso é surpreendente, uma professora, de 41 anos, moradora da cidade de Curitiba, capital do estado do Paraná, começou a ser assediada por um homem através do seu celular.

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta