Denúncia de perseguição na Prefeitura de Rondonópolis

Denúncia de perseguição na Prefeitura de Rondonópolis

Sispmur cobra explicações da Prefeitura

O Sispmur recebeu nos últimos inúmeros registros de servidores da educação, que estariam sendo coagidos para não comparecerem nas paralisações convocadas pela entidade. O sindicato também recebeu servidores presencialmente que afirmaram que diretores escolares (indicados pelo Prefeito José Carlos do Pátio) estão cobrando reposição imediata daqueles que compareceram nas manifestações.

Caso o fato seja confirmado, o poder público municipal de Rondonópolis poderá responder criminalmente pela atitude. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional informa que obrigatoriamente o calendário letivo deve ser composto por 200 dias.

Em Rondonópolis, segundo o calendário escolar do ano letivo de 2022, existem 205 dias para serem trabalhados. Ou seja, os profissionais têm dias de sobra a serem descartados, e desta forma, não necessita de reposição, pois não fere a LDB. “O caso é grave e caracteriza perseguição e assédio moral. Eles querem de todas as formas achar brechas para enfraquecer nosso movimento, mas servidor público é como massa de pão, quanto mais bate, mais cresce. Nosso departamento jurídico já acionou e cobrou dos responsáveis pelas Secretarias de Educação e Gestão de Pessoas explicações sobre tal conduta.

Todo servidor tem direito de participar das convocações sindicais realizadas mediante edital. A legalidade está prevista no artigo 8º da Constituição Federal.

Educação rejeita proposta

O Sispmur também encaminhou um ofício para o prefeito José Carlos do Pátio, que os trabalhadores da educação rejeitaram a proposta do governo municipal.

 A entidade justificou a decisão da categoria pontuando que “…o referido Projeto n. 36/2022 retiro direito adquiridos, principalmente no que refere ao “remanejamento de valores do horizontal e vertical”, bem como o Adicional de Tempo de Serviço, pois conforme demonstrado na tabela, não existe o ATS no início da carreira e no final da tabela, a incorporação irá até 29 (vinte nove) anos, não levando em consideração que o servidor homem trabalha até 35 (trinto e cinco) anos. E o mais importante o Adicional de Tempo de Serviço é direito do Servidor Municipal e não está sendo negociado esse direito.”

“Cabe aqui frisar que no ofício 07/2022, requeremos a administração, ganho real para todos os servidores de forma linear no percentual de l5%, pois a defasagem salarial de todos os servidores (instrumental, saúde, educação) é neste patamar, informamos ainda que há inconsistências nos Planos de Cargos e Carreira 225 / 2O16, 226 / 2O16 e 228 /20 1 6 e que conforme reuniões já realizadas no Secretaria de Gestão foram pontuadas e aguardam soluções.”

Os servidores municipais de Rondonópolis estão em estado de greve desde 5 de maio. O aviso de uma possível greve geral foi votado no mesmo dia durante assembleia, que contou com a participação de 500 trabalhadores.

Há mais de um ano trabalhadores do município tentam diálogo direto com o prefeito José Carlos do Pátio. 

A última greve do serviço público municipal aconteceu no início de 2015 e durou mais de três meses.

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias

Pastor e esposa são indiciados por manter indígenas em situação de escravidão.

Um pastor e a esposa dele foram indiciados pela Polícia Civil e vão responder pelo crime de reduzir à condição análoga a de escravo dois primos indígenas, de 15 e

Destaques

Funcionária acha que assalto é brincadeira e bandido faz disparo dentro de mercado.

Nesta Segunda-feira (25/10), bandidos invadem e faz um disparo dentro de um mercado em Alta Floresta (a 810 km de Cuiabá). Uma câmera de segurança flagrou o momento em que

Destaques

Guiratinga|Piores salários para merendeiras, guardas, técnicos e motoristas em MT, afirma Sindicato

Os servidores do apoio escolar, da educação básica do município de Guiratinga, categoria II (merendeiras, guardas, técnicos, motoristas, etc.) estão entre os menos valorizados do estado de Mato Grosso. “Infelizmente