COVID-19 – Clima frio pode influenciar aumento de casos nos estados do Centro-Oeste e Sul do país

COVID-19 – Clima frio pode influenciar aumento de casos nos estados do Centro-Oeste e Sul do país

Estados do Centro-Oeste, da região Sul, Minas Gerais e Espírito Santo devem se preparar para enfrentar uma situação mais severa, com a possibilidade de aumento de casos do novo coronavírus.

Estados do Centro-Oeste, da região Sul, Minas Gerais e Espírito Santo devem se preparar para enfrentar uma situação mais severa, com a possibilidade de aumento de casos do novo coronavírus. É o que afirmou o secretário substituto de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Macário, nesta terça-feira (26), com base no comportamento de doenças respiratórias similares à Covid-19, quando a temperatura começa a cair nesta parte do país.

De acordo com Macário, a transmissão de doenças respiratórias têm maior facilidade de transmissão com a queda da temperatura, pois o frio faz com que as pessoas se fechem dentro dos ambientes, o que aumenta o número de pessoas que podem transmitir e serem infectadas pelo coronavírus. “Isso tudo [sobre o clima], em um contexto de Covid-19, mostra a nossa grande preocupação para todo o Brasil, mas que vai se dar, pelas perspectivas, de maneiras diferentes. Então a região Sul, a região Sudeste (exceto São Paulo e Rio de Janeiro, que já têm enfrentado isso) e a região Centro-Oeste precisam se preparar cada vez mais para o enfrentamento dessa situação. Não só do ponto de vista dos gestores mas, também, da população”, explicou.  

 A avaliação das ocorrências de doenças respiratórias, nos últimos 10 anos, mostra que há uma maior quantidade nos primeiros meses do ano no Norte e Nordeste. Então, essa diferença de clima entre as regiões do país, pode ser uma das explicações para a quantidade de casos nessas regiões. “Nos primeiros meses do ano (fevereiro, março e abril), se tem um aumento de pluviosidade por ocorrência de chuvas e as pessoas acabam se aglomerando, fechando janelas, se colocando em espaços mais restritos e, com isso, facilita a transmissão de doenças respiratórias, principalmente as doenças virais”, disse o secretário Macário. 

É importante destacar aqui, que essas observações são baseadas em doenças respiratórias parecidas com a Covid-19, por tanto, existem peculiaridades dessa doença que ainda são desconhecidas por médicos e cientistas, o faz dela um fator imprevisível. 

Radio Mais

Talvez você também goste

viagem

Deputado Silvio Fávero defende cuidado redobrado com os motoristas e funcionários de pedágios

As classes também precisam de atenção e cuidado redobrado na prevenção ao coronavírus

Destaques

COVID-19|Vacina terá dificuldade para distribuição global

Sobre a vacina, a Moderna começou a terceira e última fase de testes, na qual 30 mil voluntários nos EUA receberão a dose. Essa é a quinta candidata do mundo

Notícias

PRF apreende skunk em Rondonópolis-MT

Na tarde de terça-feira (18), na br 364, km 211, a Polícia Rodoviária Federal abordou um ônibus marca Scania/Mpolo Paradiso de cor amarela, o qual fazia a linha Porto Velho/RO- Mantena/MG. Durante fiscalização