BOATO: BRASIL NÃO VAI RECEBER 13 NAVIOS COM REFUGIADOS MUÇULMANOS

BOATO: BRASIL NÃO VAI RECEBER 13 NAVIOS COM REFUGIADOS MUÇULMANOS

As redes sociais recebem a cada dia inúmeras mensagens, que não passam de boatos e a mais recente  informação que está  ganhado espaço é de  que começarão a chegar em julho 13 navios vindos da Europa com 1,8 milhão de refugiados muçulmanos. Não é verdadeira.

A Agência da ONU para Refugiados (Acnur) no Brasil diz que desconhece tal informação e que ela não procede. O Ministério das Relações Exteriores informa que a notícia é falsa e não tem nenhum fundamento.

A Lei de Migração (e não Lei do Imigrante, como diz a mensagem) regula a entrada e estada no Brasil dos migrantes e visitantes e estabelece diretrizes para as políticas públicas voltadas para esse público. A proposta substitui o Estatuto do Estrangeiro, de 1980.

No próximo dia 20 deste mês, é comemorado o Dia Mundial do Refugiado.

Essa não é a primeira vez, e não será a ultima que falsas mensagens circulam e ganham proporção em redes sociais, espalhando notícias falsas. Que podem gerar muitos transtornos

 

Veja o que diz a falsa mensagem:

 

 

Checar um fato conferir as informações  tem como objetivo atestar a veracidade de notícias e informações espalhadas pelas redes sociais e pela web.

As redes sociais e a internet têm possibilitado o estreitamento de distâncias que, antes, pareciam inacessíveis. O que muita gente não sabe, no entanto, é que uma informação falsa, ou boatos compartilhados na internet, podem trazer consequências graves e ser considerado crime.

Veja alguns sites que ajudam a desvendar os boatos e mentiras da rede:

Boatos.org – É uma alternativa para checagem de histórias espalhadas pela internet.

E-farsas – O tem mais de 10 anos de existência e nele é possível pesquisar sobre a maior parte dos boatos amplamente difundidos na rede. O autor do site além de pesquisar a origem dos boatos, tenta fazer uma análise minuciosa sobre os pontos contraditórios contidos na informação que está sendo divulgada.

Tentar esclarecer os fatos divulgados na internet não é o mesmo que inibir a livre manifestação de opiniões, mas uma iniciativa importante para distinguir o que é informação verdadeira das histórias falsas divulgadas de maneira irresponsável.

 

Redação