segunda-feira, março 4, 2024
More

    Siga o Marreta Urgente

    Últimas Postagens

    9ºno Ranking| Prefeitura de Rondonópolis entre as que mais gastam em despesas com pessoal no Centro-Oeste  

    Levantamento do anuário MultiCidades – Finanças dos Municípios do Brasil aponta que Goiânia (GO), Campo Grande (MS) e Cuiabá (MT) estão em destaque na região

    Cuiabá (MT), Varzea Grande(MT) e Rondonópolis (MT), estão entre as prefeituras da região Centro-Oeste que mais gastaram com servidores em 2022, de acordo com levantamento o anuário MultiCidades – Finanças dos Municípios do Brasil.

    Segundo o anuário, realizado pela Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos (FNP), Goiânia gastou R$ 3,35 bilhões com os profissionais do município, seguida de Campo Grande, que registrou R$ 2,66 bilhões em despesas com pessoal, e Cuiabá (MT), com R$ 1,58 bilhão. Anápolis aparece em quarto lugar no ranking, com R$ 804,5 milhões em gastos, e Aparecida de Goiânia fecha o top cinco dessa despesa, com R$ 795,1 milhões em custos com servidores no ano de 2022.

    Realizado pela FNP, o anuário MultiCidades apresenta conteúdo técnico em linguagem amigável e é uma ferramenta de transparência das contas públicas, com dados do desempenho das cidades. A 19ª edição traz análises sobre o desempenho das despesas com pessoal, assim como rankings per capita e indicadores da relação entre gasto com pessoal e receita corrente. A publicação conta com a consultoria da Aequus e o apoio de Dahua Technology, Febraban, BRB, BYD e Itaú.

    RANKING – AS 10 MAIORES DESPESAS MUNICIPAIS COM PESSOAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE EM 2022
    Elaboração: MultiCidades – Finanças dos Municípios do Brasil, publicação da Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos (FNP). Dados primários: Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

    Raio X do Brasil: municípios aumentam despesas com pessoal

    Ao avaliar os dados gerais dos municípios brasileiros, levantamento do anuário MultiCidades – Finanças dos Municípios do Brasil, apontou que a despesa das prefeituras brasileiras com pessoal registrou um aumento real de 8,3%, passando de R$ 401,39 bilhões em 2021 para R$ 434,62 bilhões em 2022, o que significou um adicional de R$ 33,23 bilhões ao gasto municipal.

    Apesar disso, o bom desempenho das receitas fez com que a participação das despesas com pessoal na receita corrente tenha recuado, em 2022, pelo quinto ano consecutivo, como explicou a economista Tânia Villela, editora do anuário.

    “Com o fim do congelamento dos salários pela Lei Complementar 173/2020, que vedou qualquer tipo de ampliação de despesa com pessoal entre maio de 2020 e dezembro de 2021, a pressão por recomposição, o reajuste do piso do magistério e do salário mínimo elevaram a despesa com pessoal a um novo patamar em 2022. Porém, a participação da despesa com pessoal na receita corrente recuou pelo quinto ano consecutivo, alcançando, em 2022, o mesmo patamar do biênio 2005-2006, de 44%, a menor de toda a série histórica, iniciada em 2002. Esse resultado só foi possível devido ao crescimento de 9,1% da receita corrente, ficando acima do aumento do gasto com pessoal no ano”.

    Para Tânia, ao analisar o comportamento dos principais elementos que compõem a despesa com os servidores em atividade, observa-se que nos vencimentos e vantagens fixas, incluídos os subsídios, houve um crescimento real de 6,6%, totalizando R$ 17,49 bilhões a mais. “Já nos gastos com o pagamento dos servidores contratados em designação temporária (especialmente os profissionais das áreas de educação e saúde), houve um aumento real de 28,1%, o que representou um adicional de R$ 9,05 bilhões”, detalhou.

    Quanto às obrigações patronais sobre a folha de pagamento, que incluem as contribuições ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), aos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) e ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) – no caso de empregados públicos – estas apresentaram um incremento de 8,3%, adicionando mais R$ 2,35 bilhões.Em relação aos benefícios previdenciários pagos pelos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) municipais, as aposentadorias tiveram um aumento de 5,4%, R$ 3,13 bilhões a mais em relação a 2021, enquanto as pensões cresceram 3,2%, com mais R$ 273,8 milhões.

    No ranking nacional, as cidades com as maiores despesas com pessoal foram São Paulo (SP), com R$ 25,76 bilhões, Rio de Janeiro (RJ), com R$ 16,3 bilhões, Belo Horizonte (MG), que gastou R$ 5,32 bilhões, Curitiba, com R$ 4,79 bilhões, e Fortaleza (CE), que teve R$ 4,68 bilhões com gastos com pessoal.
    RANKING – AS 10 MAIORES DESPESAS MUNICIPAIS COM PESSOAL DO PAÍS EM 2022
    Elaboração: MultiCidades – Finanças dos Municípios do Brasil, publicação da Frente Nacional de Prefeitas e Prefeitos (FNP). Dados primários: Secretaria do Tesouro Nacional (STN). 
    Deixe seu comentário

    Siga o Marreta Urgente

    Latest Posts

    Informe Publicitário

    AMOR ALÉM DA VIDA

    Jornalismo Morreu ou foi assassinado ?

    BRASIL