Peão laçou um pequeno avião que dava rasantes numa fazenda em Santa Maria

Peão laçou um pequeno avião que dava rasantes numa fazenda em Santa Maria

O gaúcho que laçou um avião há 65 anos

Um peão de estância laçar um avião “pelas guampas”, em pleno ar, parece lenda, mas é fato. Isso aconteceu em janeiro de 1952. Foi numa fazenda, nas proximidades da Base Aérea de Camobi, em Santa Maria. O autor da façanha, Euclides Guterres, então com 24 anos. O piloto do “Paulistinha”, o jovem Irineu Noal, 20 anos. Ambos já falecidos.

Quando cuidava de uma novilha doente, Euclides notou que um pequeno avião dava rasantes sobre as coxilhas, aproximando-se cada vez mais de onde estava. O peão, achando que aquilo era brincadeira ou algum tipo de provocação, não teve dúvidas: armou o laço de 13 braças e quatro tentos e o atirou em direção ao bico do teco-teco, acertando o alvo.

A reconstituição montada pelo repórter fotográfico Ed Kefell

Foto: REPRODUÇÃO / O CRUZEIRO

Por estar preso na cincha do arreio sobre o cavalo, o laço, com o impacto, arrebentou na presilha e seguiu pendurado no avião. O piloto, assustado, tratou de pousar na pista da base aérea. Longe do hangar, retirou o laço e o escondeu no meio das macegas. No dia seguinte, um instrutor notou que a hélice do aparelho estava rachada. Pressionado, o piloto confessou o acontecido.

O peão Euclides Guterres, aos 24 anos, autor do feito que repercutiu mundialmente

O comandante do aeroclube procurou o jornalista Cláudio Candiota (1922-2012), diretor de A Razão, e contou a história, mas pediu para não divulgá-la, “para não causar prejuízo à imagem do estabelecimento sob sua responsabilidade”. O jornalista comentou: “Deixa comigo. Vou tornar este aeroclube famoso em todo o mundo”. Não só deu a notícia no seu jornal como no Diário de Notícias, de Porto Alegre, e telefonou para a revista O Cruzeiro. Esta, na mesma semana, mandou seu melhor fotógrafo, o gaúcho Ed Keffel, a Santa Maria, onde reconstituiu o episódio e o estampou em cinco páginas, amplamente ilustradas. Com circulação de mais de 700 mil exemplares, a reportagem de Cláudio Candiota repercutiu na imprensa mundial. A notícia saiu até na Time americana. “Eu não fiz por maldade. Foi pura brincadeira. Para falar a verdade, não acreditava que pudesse pegar o aviãozinho pelas guampas num tiro de laço”, confessou Euclides Guterres

 

Fonte: clicrbs

Talvez você também goste

Notícias

Criança sobrevive após ser atingida por caminhão que avançou semáforo vermelho

  Um menino sobreviveu após ser atingido por um caminhão em uma avenida na China. Ele estava em um triciclo empurrado por sua mãe quando o veículo avançou o semáforo

Mundo

Proxima b, planeta parecido com a Terra, pode ter oceanos

Ilustração mostra o planeta Proxima b orbitando ao redor da anã vermelha Proxima Centauri, vizinha mais próxima do Sol (Foto: ESO/M. Kornmesser) Um planeta rochoso descoberto na zona “habitável” da

Política

Se o Direito Penal for levado a sério, Bolsonaro não cometeu crime algum

Bolsonaro é réu no Supremo pelo crime de apologia ao estupro -artigo 287 do Código Penal: fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime: Pena – detenção,