CASOS ESQUECIDOS: A TRAGÉDIA DO CIRCO EM RONDONÓPOLIS

CASOS ESQUECIDOS: A TRAGÉDIA DO CIRCO EM RONDONÓPOLIS

Processo irá completar 15 anos e até hoje não foi concluído

Existem casos em que os verdadeiros responsáveis ou culpados nunca foram devidamente punidos pela justiça, entre eles está uma tragédia que é bem conhecida da população de Rondonópolis que aconteceu em 2002, há quase 15 anos.

Jornais da época noticiavam a tragédia que marcou a vida de muitas famílias:

Matuzalen Teixeira/Jornal de Hoje

Circo desaba e 4 pessoas morrem em Rondonópolis 10/12/2002

A estrutura do circo não suportou os fortes ventos que atingiram a cidade na noite do domingo

Quatro pessoas morreram e pelo menos outras 11 ficaram feridas durante o desabamento do Circo Del Sol no final da tarde de domingo, em Rondonópolis (218 quilômetros ao sul de Cuiabá). Na hora chovia e ventava muito na região. A arena estava instalada em frente ao shopping Rondon Plaza, no bairro Vila Aurora, e seria a última apresentação na cidade.

Das quatro vítimas, três são crianças. Os corpos de Dionísio Carlos de Souza Pena, 31 anos, e de sua filha Daiane Elis Barbosa Pena, 8, foram encontrados abraçados. Também morreram Thainy Dias Florêncio, 10 anos, e Daiany Lezerman, 3. Testemunhas acreditam que eles tentaram se proteger atrás do caminhão.

Na hora do acidente, cerca de 200 pessoas assistiam ao espetáculo e houve muito tumulto. Parentes e amigos chegavam a toda hora em busca de informação. Testemunhas disseram que os organizadores chegaram a pedir a retirada do público, mas não houve tempo. As vítimas foram socorridas por moradores, soldados do Corpo de Bombeiros e policiais militares.

O proprietário do Circo Del Sol, Alberto Cassagna, foi preso em flagrante após o acidente, pagou fiança de R$ 800 e foi liberado. Ele poderá responder por homicídio culposo (sem intenção). A auxiliar de Criminalística informou que o proprietário possui autorização de funcionamento do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) e da Prefeitura.

O historiador e professor da Universidade Federal de São Carlos (SP), Marco Antônio Villa explica o que implica a impunidade no país.

“Com um poder judiciário que funciona lentamente. Quando não se pune ninguém, esses fatos vão crescendo em progressão geométrica. E há uma absoluta desvalorização da estrutura democrática brasileira e do Estado brasileiro. A punição deve ser rápida e exemplar. A morosidade da Justiça fortalece a impunidade e estimula a corrupção”. Disse o historiador

Claudiana Barbosa, que na ocasião ficou viúva e perdeu a filha conversou com a reportagem do Marreta Urgente e explicou:

“Até hoje ninguém foi efetivamente responsabilizado pela justiça, o processo já vai para 15 anos e as informações que recebo dos advogados é que a justiça tem dificuldade de localizar os possíveis envolvidos”.

A reportagem apurou também que até hoje nenhum familiar da tragédia recebeu qualquer indenização por morte de seus entes queridos.

A indenização, claro, não traz ninguém de volta. Mas quando um processo é encerrado e acaba é como um fechamento para os familiares. É um livro que se fecha e vai para a prateleira. Ele vai ficar ali sempre, mas não vai ficar aberto. Além de suprir as necessidades financeiras de quem foi prejudicado pela tragédia.

“Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada”.- Rui Barbosa

 

Redação

 

Talvez você também goste

Destaques

VITÓRIA ANTECIPADA NÃO EXISTE

Exemplos assim não têm faltado tanto no esporte como na politica, mas alguns insistem em contar com ela antes do tempo. Um caso que chegou ao conhecimento recente trata da

Marretadas

PREFEITO ELEITO ZÉ CARLOS DO PÁTIO FALA SOBRE O SECRETARIADO

O Prefeito eleito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio declarou ao Marreta Urgente que até o momento não tem nomes definidos para o secretariado e que será disponibilizado a partir

Notícias

TRABALHADOR MORRE ATINGIDO POR RAIO EM FAZENDA NO INTERIOR DO MT

Naziozeno Crispinho dos Reis, 30, trabalhador rural, morreu ao ser atingido por um raio enquanto trabalhava em uma fazenda localizada no assentamento Roseli Nunes, em Mirassol D’Oeste (288 km de