BARRACO NO CASAMENTO DE DEPUTADA NO PARANÁ COM DIREITO A OVADA E CONFRONTO COM A PM

BARRACO NO CASAMENTO DE DEPUTADA NO PARANÁ COM DIREITO A OVADA E CONFRONTO COM A PM

Cerca de 200 pessoas protestaram, na noite desta sexta-feira (14), durante o casamento da deputada estadual Maria Victoria (PP), filha do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP) e da vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti (PP), com o advogado Daniel Silva Campos.

O manifestantes ocuparam o calçadão do Largo da Ordem em frente a Igreja do Rosário, onde está sendo realizada a cerimônia, xingaram e vaiaram familiares, convidados e a noiva em sua chegada ao local. Maria Victória só conseguiu entrar na igreja com ajuda do efetivo da Polícia Militar (PM), mobilizado para o evento após a notícia de que poderia ocorrer protesto.

Algumas pessoas que participavam do protesto entraram em confronto com a PM. Os policiais usaram cassetetes, balas de borracha e bombas de gás para conter os manifestantes, que jogaram pedras e xingaram os policiais.

Após a cerimônia religiosa, os manifestantes jogaram ovos nos convidados, inclusive na noiva e nos pais dela. Os participantes da festa precisaram ser escoltados pela PM até o Palácio Garibaldi, que fica do outro lado da praça.

Na festa, a mãe da noiva disse, em entrevista para um colunista local, que não se tratava de um evento político, mas um momento familiar aguardado por um pai e uma mãe desde o nascimento da filha. Principalmente por Maria Victoria ser filha única do casal.

Motivo da manifestação

De acordo com um dos organizadores da manifestação, convocada pela internet, Leonardo Weiss, o protesto é contra o “abuso de poder” dos políticos. “O que não falta é motivo para manifestar, agiram contra a lei e abusam do poder pessoal e network que têm. É complicado ver essa irregularidade em um patrimônio histórico”, disse.

Os manifestantes questionam a modificação da estrutura do Palácio Garibaldi, prédio histórico do centro de Curitiba, onde será realizada a recepção dos convidados. Uma estrutura metálica foi montada na entrada do prédio para dar suporte a uma cobertura retrátil, o que gerou, inclusive, uma multa à administração do edifício por parte da Coordenação de Patrimônio Cultural (CPC) da Secretaria da Cultura.

Em nota, a assessoria da deputada afirma que a cerimônia ocorreu dentro da normalidade. O texto, que é assinado por Maria Victoria, Cida Borghetti e Ricardo Barros, também diz que as manifestações são o “preço da democracia” e que foram motivadas por partidos de esquerda. Leia:

“Tudo transcorreu dentro da normalidade na cerimônia religiosa e na recepção aos convidados. Apenas o trajeto que os noivos fariam a pé, da Igreja do Rosário ao Palácio Garibaldi, foi alterado pela ação dos manifestantes.

Lamentamos as agressões físicas e verbais a alguns convidados, porém é o preço da democracia.

A pré-candidatura de Cida Borghetti ao Governo do Paraná foi a motivação dos protestos incentivados e financiados pelos partidos e sindicatos de esquerda.

Maria Victoria, Cida Borghetti e Ricardo Barros.

 

Talvez você também goste

Notícias

ASSÉDIO MORAL: PRESIDENTE DA CODER É DENUNCIADO

O presidente da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis- CODER, José Severino da Silva Neto; ”NINO” foi denunciado ao Ministério Público do Trabalho, por agressões verbais e assédio Moral no ambiente

RONDONÓPOLIS

UNEGRO PANTANAL RONDONÓPOLIS MT EMPOSSA DIRETORIA

  A UNEGRO-Instituto de Negros pela igualdade é uma organização social que tem como objetivo ações coletivas agem como resistência a exclusão e luta pela inclusão social, foi fundada em

Destaques

Rodrigo da Zaeli revisa e sugere alterações no texto do projeto de criação da AGERRON

  Um projeto para criação de uma agência reguladora dos serviços públicos foi apresentado pelo executivo municipal para votação em regime de urgência na sessão desta quarta-feira (9). Por não